quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Vinho de cevada


A Barley Wine é um dos meus estilos favoritos de cerveja, tanto pelo corpo, quanto pelo teor alcóolico mais elevado. Há algum tempo estávamos querendo promover uma degustação harmonizada de cervejas do estilo, o que foi feito no último dia 14 na casa da Lu. Os nossos convidados habituais, Ricardo Rosa, Mauro Nogueira e Tasso Marcelo também estavam presentes para nos servir e nos acompanhar na árdua tarefa de experimentar cervejas que começaram com 7,2% de teor alcóolico e foram até 10,5%. O Mauro e o Ricardo levaram pra degustarmos no pós-trabalhos uma prova da Intrepidus Nocturnum 1, uma super stout de 11,6%, maravilhosa.

De convidados inéditos tivemos o cervejeiro Lúcio Fialho e a mulher, Mônica, além da Carol, a responsável pelo lindo logo da FemAle carioca, e a Karine, irmã da Lu. O Lúcio, muito gentil, nos levou algumas garrafas de cerveja produzidas por ele e o Daniel Caruso. Uma delas foi uma dubbel na qual usaram, na primeira fermentação, cepas coletadas de uma garrafa da “Gouden Carolus Cuvee Van de Keiser!!! e, na segunda fermentação, levedura coletada da Orval !!!. Esses meninos não são o máximo???


Nós e as convidada: Mônica (de preto, na frente) Carol (de branco, na frente), Karine (de preto, encostada na parede ao fundo e levantando o copo).


A Carol ganhou um kit com as cervejas de três FemAles que tinham levas prontas (Duda, Lu e Regina)

Além da Traquair, Golden Pride, Red Ale, Gulden Draak e St Bernardus, tivemos ainda uma cerveja fabricada pelo Mauro Nogueira e que passou 12 meses enterrada no sítio da família em Teresópolis. Este líquido precioso tem 10% de teor alcóolico e foi batizado de "A Exumada". "A minha cerveja era uma tentativa de copiar A Inveja de Baco, receita de barley wine do Ricardo vencedora do 2º Concurso Nacional de Cervejas Artesanais, em 2007. Mas deu tudo errado. O malte que eu tinha não deu a densidade esperada, eu tive que colocar açúcar, o fermento trabalhou diferente do esperado mas, no fim consegui a densidade programada. Parte da leva foi enterrada dentro de uma caixa de isopor super fechada e exumada este mês", conta Maurinho.


Lúcio, em pé, e os habituais Mauro, Ricardo e Tasso


E foi o Maurinho mesmo que nos fez uma apresentação sobre o estilo. "A Barley Wine é uma cerveja que tem um quinto elemento, o tempo de garrafa. Além do malte, água, lúpulo e fermento esta é uma cerveja em que o tempo pode influenciar muito positivamente no resultado final", garante.

A primeira a ser degustada foi a Traquair (7,2%), que tem teor alcóolico menor do que o estipulado pelo BJCP para o estilo. Uma cerveja com pouco corpo, baixa carbonatação e doce. A Golden Pride (8,5%) é bem equilibrada e mistura o doce do malte com o amargor do lúpulo. Na minha opinião e na da Flavinha, ela apresenta ainda um toque spicy, uma picância. Ela é mais licorosa, tem bom corpo e boa carbonatação. Em seguida veio a Red Ale, da Baden Baden. Infelizmente estava oxidada e com uma cor diferente do original que todas nós não nos furtamos de tomar sempre que dá.

O danadinho do Mauro fazendo graça, como de praxe!


A quarta cerveja foi a St Bernadus 12 ABT que nos foi indicada como Barley Wine, mas parece mais para uma trippel. Com 10% de teor alcóolico, ela tem aroma bem cítrico, uma mistura de azedinho e adocicado que lembra frutas vermelhas. Muito gostosa, apesar de não ter nada do estilo. A Exumada chegou com sua cor rubi, bem licorosa, alcóolica, com notas de amadeirado, de baunilha e de álcool. Por último veio a Gulden Draak (10,5%), aroma de caramelo e baunilha, sabor um pouco torrado, levemente adocicada e alcóolica. Bom corpo e bem equilibrada.

A Exumada foi a grande vitoriosa da noite, na preferência feminina. Apenas a Duda votou na St Bernardus ("mesmo fugindo do estilo da Barley Wine, eu gosto mais desse tipo de cerveja", explica ela) e a Monica e a Carol, que gostaram mais da Gulden Draak.
















Flavinha suplicando "Me dá, me dá mais um golinho da Intrepidus". Ganhou no grito!!



Feliz da vida com o copinho extra

Depois da bebelança, veio a comilança. Além de, claro, termos degustado cervejas levadas pelo Lúcio. Ele, aliás, nos contou que a Mônica também gostou do encontro e que no dia seguinte começou a ler sobre a Barley Wine...


Maurinho carbonatando a Exumada

De prato principal servimos um penne com molho de gorgonzola, receita da Duda







Sobremesas: mousse de chocolate, que a Tatinha levou, e trufas deliciosas, que a Flavinha nos trouxe


A rangadeira era algo apenas natural....










A turma toda curtiu e o encontro virou rave novamente.. Os últimos (hehe) ficaram até depois das 4 da manhã.


Um brinde da galera toda

3 comentários:

FemAle Tatiana disse...

O site da Gulden Draak diz que os ingleses a consideram barley wine.

E eu fiz a tortinha mousse. Humpf!

Adorei, Lindona! Bem jornalístico!

Beijocas

Paulo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo disse...

Essas meninas tão chiques demais viu, vou ter que me mudar pro rio mesmo, não dá pra ficar de fora desta.
Toda vez passo mal com estes "eventos" saborosos, deliciosos que fazem, parabéns meninas.

Paulo Feijão
www.obiercevando.blogspot.com