quinta-feira, 30 de julho de 2009

Mês de Julho: Bock

Convidada Lucia e nós

Degustamos nessa friaca de 22°C do mês de julho 5 representantes do estilo Bock. Queríamos outros rótulos também, mas não achamos no RJ a Kunstmann e a Christoffel. Lamentável, né?! Alôôôuu, distribuidores!

Fizemos tudo que tinha disponível no mercado e bares, ou seja, Kaiser Bock, Petra Bock, Bock Damm, Baden Baden Bock e La Trappe Bockbier.



De ilustres selecionados pra nos servir tivemos o Maurinho, que fez batatas gratinadas, Ricardo, que cuidou da ordem de degustação às cegas, Marcelão, que trouxe lombinho feito na cerveja preta, Serginho, que foi nosso garçom, e Botto, que fez uma picanha suína fatiada para petiscar.


Todo orgulhoso! Esse é o homem que faz aquele choppinho campeão da Cervejaria Fraga


Maurinho, Marcelão e Ricardo nos bastidores!


Mestre-Cuca Marcelão!


Pra começar as harmonizações, servimos bolinho de feijoada feito aqui em casa, copiado do Aconchego Carioca, que o harmonizou com a bock da Bamberg quando esta foi lançada aqui no RJ.

Com uma pimentinha baiana...


Tivemos o prazer de uma palestra do Maurinho sobre o estilo. Ele explicou sobre os ingredientes utilizados na fabricação, processos, sabores e aromas, enfim, o que deveríamos esperar do que degustaríamos, o que estaria ou não no estilo.




Iniciamos, então, as degustações. Dessa vez, como foi organizado pelo Ricardo, não houve pegadinhas, mas se dependêssemos do Maurinho e do Marcelão, teríamos bebido uma mistura de cerveja com coca-cola.

Degustação na casa desta humilde narradora


A 1ª servida foi a Kaiser Bock, que tem coloração meio rubi, meio cobre, aroma de caramelo, pouco malte, sabor levemente adocicado no início, bastante leve, médio a baixo corpo. Algumas acharam retrogosto de mofo e outras não.

Na sequência, Petra Bock. Sem aroma muito apararente, somente um pouco doce, porém, acética no sabor. Devemos ter pego uma ruim no mercado.


Lu (na outra mesa), Tatiana, Regina e Duda se sentindo em casa (Amiga Duda, mi casa, su casa)


Depois, Bock Damm. Coloração marrom escuro com reflexos rubi, média duração da espuma. Aroma pouco torrado, não sentimos muito, talvez estivessésmos com o cheiro da comida sendo feita. Sabor torrado, maior amargor do que as outras. Cerveja seca.
A 4ª servida foi a Baden Baden. Coloração marrom escuro. Espuma creme claro. Aroma caramelo com torrado. Sabor caramelo mais forte, toffee. Beeeem doce. Apesar disso, foi bem aceita.

Lucia, convidada entendida, e, ainda por cima, mulher do Marcelão. Só podia ser gente boa. E Lu.

Last but not least, La Trappe Bockbier, que é uma cerveja ale e bock ao mesmo tempo (????). Coloração rubi médio a escuro. Espuma mais cremosa, creme escuro. Aroma caramelo e alcoólico. Sabor de toffee, caramelo, malte. Mais encorpada e cremosa, com sensação de calor. Leve amargor no final. Algumas encontraram diacetil (manteiga, creme de leite). A preferida de algumas de nós.

Servimos então as batatas gratinadas do Maurinho, a picanha suína do Botto e o lombinho do Marcelão. Deu uma dor nas costas pra comer... Tudo divino! Sem brincadeira. A combinação foi muito perfeita. Tinha sugerido esse cardápio por causa de uma leitura meio na diagonal do The Brewmaster Table, do Garret Oliver, e deu super certo.





Depois ficamos nas cervejas comerciais mesmo e fomos assim até às 2h da manhã.




Agradecimentos especiais aos meninos cozinheiros e garçons e à Lucia, que deu um show de percepção sensorial.
Mais estudos estão por vir. A cerveja é infinita em sua capacidade de ensinar.

Brindes!

3 comentários:

Bares, Drinks & Destilados disse...

Meninas
Pelas idas e vindas que a rede (net) nos proporciona descobri o Blog de vocês. Já dei uma lida em quase tudo. Parabens vou virar habitué.
Um beijo para todas.
Cesar Adames
(o Celso da Prazeres da Mesa)

Luciana disse...

Oi meninas!

Bom, com relação à degustação das bock, eu tenho a opinião da "Christoffel Bok" (mas eu sou amadora, então eu não conto como avaliadora...)

Muito lupulada, mas o retrogosto é bastante agradável. O malte parece ser defumado ao invés de torrado! Eu gostei....mas eu prefiro a LaTrappe Bockbier. e Dentre as nacionais, a que mais gosto é a BadenBaden, justamente por causa do "adocicado" que deixa na boca.

Quanto às harmonizações, eu não entendo muito disso (eu não sei cozinhar bulufas...) Mas eu sei comer! e o bolinho de feijão do aconchego é um escââândalo! \o/

(dica: eu encontrei a Christoffel Bok em dois lugares no RJ: No Farinha Pura, que é onde geralmente compro, por ser pertinho de casa, e no Júlio, la da Nygri! Inclusive, a primeira vez que comprei, comprei lá no Júlio! E vamos combinar: Que garrafinha bonitinha ela tem!!)

Beijos a todas!
Luciana Becharat

FemAle Tatiana disse...

Luciana,

Não achamos a Christoffel em nenhum desses lugares que vc citou e em nenhum outro, pois procuramos em outros bares.

A La Trappe foi minha preferida tb, mas é uma cerveja que não é do estilo bock, já que usa fermento Ale. Engraçado, né?!

A Baden eu achei mega ultra doce, não gosto tanto disso, mas foi a preferida de algumas outras FemAles.

Valeu pelas dicas. beijos