sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Degustação de Presentes


 Essa reunião da FemAle Carioca foi pra degustar presentes, de novo! Mas dessa vez super nacionais. Eu, Tatiana, fui a anfitriã da vez.

Ganhamos do Craft Bier, de Rio Azul, no Paraná, uma weiss bier e uma belgian strong ale, e do Bodebrown, de Curitiba, uma cerveja de cada, dos seus mais variados estilos. 


Pra aquecer os tamborins, tomamos as alemães Weihenstephaners, excelente representante do estilo trigo, da cervejaria mais antiga do mundo.



 Na onda dos grãos, provamos a Combined Harvest, da Batemans: cerveja bem leve, que tem em sua fórmula centeio, trigo, cevada e aveia.


Filha única no Brasil foi a Weihenstephaner Tradition, que, infelizmente, não é mais trazida pro nosso país. É uma delícia. Unanimidade em seu equilíbrio entre dulçor e amargor.


Com todos os degustadores presentes, iniciamos a degustação pela Bodebronw hefe-weiss: leve banana madura, corpo médio-leve, cravo também perceptível. Bem refrescante.


Na linha de trigo, abrimos a Craft Bier Weissebier 5,6% abv, com turbidez típica da weiss, puxada mais pro fenólico. Colarinho bonito.



A próxima foi a Craft Bier belgian golden ale. Cerveja suave. Leve esterificação.


A Bodebrown Hop Weiss tem a mesma base da hefe-weiss, tendo como diferença o dry hopping de amarillo, deixando a cerveja mais cítrica. Bem interessante. O rótulo é uma atração à parte. Super woodstock.


Na Bodebrown helles bock o aroma de malte melanoidina predomina. É bem maltada. O álcool não aparace. O rótulo diz "surpreenda-se". Uau!


Fizemos uma pausa pra beber os chopps que o Diego, do Boteco Colarinho, nos trouxe de presente: Colorado Indica, Demoiselle e La Trappe Quadrupel. Foi uma beleza, uma festa. "Uau! Temos chopp em casa. Somos o máximo!" O engraçado foi que ele engarrafou os chopps em garrafas de H2O aromatizadas de maracujá, pra serem aqui carbonatados. O primeiro foi o Indica, que puxou mais um pouquinho pro cítrico. rs.

As fotos artísticas da Regina: Botto e Diego.
Partimos pras mais potentes, e abrimos a Perigosa Bodebrown Imperial IPA. Sente-se bem o álcool. Muito boa. Cerveja perigosa mesmo. O nome condiz. Amargor característico do estilo.

Esse rótulo vai pra minha motoca. Perigosa!
A bodebrown Wee Heavy - Scotch ale oak barrel - foi a próxima. O aroma é adocicado, de banana-passa, caramelo, baunilha. Licorosa. Sente-se o calor do álcool. Leve amargor.


Em outra pausa da degustação, outro regalo do Diego, chopp Colorado Demoiselle. Qual não foi nossa surpresa ao sentir na demoiselle o mais puro aroma artificial de maracujá. Parecia uma torta de maracujá com café. Mas eu adorei mesmo assim. Diliça!

Demoiselle com maracujá. Inovação!

Será que o mestre Ricardo gostou da combinação?

Next: Bodebrown Barley Wine com graviola. 12% abv: Aroma de graviola mesmo. Adocicada, com um levíssimo azedinho, provavelmente da fruta. Bem inovadora, né?! Bem nacional. Característica do nosso Policarpo Quaresma da cerveja.

Last, but not least, chopp La Trappe Quadruppel, com maracujá. rs. Também conhecido como LaCraia  (histórias de bar). De todas as de maracujá, essa foi a preferida da Duda.


Super noite de queijos e cervejas! Um brinde!

A macacada reunida: Botto, Diego, Ricardo, Duda, Lu, Tati e Regina!

13 comentários:

Léo disse...

Nossa, uma noite perfeita sem dúvidas. Parabenizo as feras presentes nessa reunião e um salve todo especial para uma das minhas preferidas: weihenstephaner. Cada matéria um aprendizado.

cervejaria.blackbrewer@gmail.com disse...

Estou sempre de olho no blog de vocês! Bela degustação! Gostei muito das fotos também. Grande abraço.

Claudio

FemAle Tatiana disse...

Valeu, meninos,

Cervejaria Blackbrewer, não conhecemos ainda suas cervejas. onde fica?

Leo, se tiver oportunidade, prove a tradition. As weihenstephaners, além de uma história incrível, são muito fiéis aos estilos, muito bem feitas. E agora ainda se juntaram à americana Samuel Adams pra fazer um projeto em comum, a Infinium, que já degustamos e mostramos aqui, e será lançada no Brasil dia 2 de março.
Beijos

acarlos disse...

Moro em Brasília mas vou sempre ao Rio. Descobri hoje o blog que é muito legal, com boas dicas, principalmente pra mim que sou iniciante nas boas cervejas artesanais.
Na proxima ida ao Rio ja sei onde me deliciar com as brejas; quero conhecer o Boteco Colarinho.
Um grande abraço

cervejaria.blackbrewer@gmail.com disse...

Oi Tatiana! Sou de Campinas/SP e desde julho de 2010 me aventuro neste hobby que é fazer cerveja em casa. Ainda estou na minha 10ª produção e aprendendo mais a cada dia. Tenho quatro cervejas em processo de fermentação (Bock, Weizenbock, Bohemian Pilsner e English Barley Wine) e, se quiserem, posso enviar para vocês umas amostras. Assim terei uma sólida opinião da qualidade de meu processo e de tudo que preciso melhorar. Tenho certeza que ainda preciso aprimorar bastante!!!

Um abraço e parabéns pelo excelente blog.

Claudio.

http://blackbrewer.blogspot.com

FemAle Tatiana disse...

Claudio, entendi, vc é caseiro. Que show! Vc começou muito bem, hein?!

Vc pode participar do concurso das acervas com sua bohemian pilsner, ou aperfeiçoar e fazer outra. Será em junho. E tb com a barley wine. Aí sim terá uma mega opinião sólida. Vale muito a pena, não pra ganhar, mas pra ter esse feedback de profissas. Na primeira vez que mandei, fui logo pra final, no outro concurso, tirei 2º lugar, e no da Argentina, mandei tb e fui esculachada. rs. Mas tirei ótimas dicas dos profissas.

Ficaremos super felizes se vc quiser mandar suas brejas, como vcs dizem por aí. Se quiser, meu email é tatiana@bottobier.com.br

ACarlos,
O Boteco Colarinho não tem erro. É sensacional. São 9 chopeiras, sendo 8 com cervejas nacionais. O próximo post será sobre ele, na terça-feira.
Tem que falar com o Diego, o dono, que veio indicado pelo blog, pra ele te tratar bem.rs.

Tem tb o Beertaste, na Barra, o Delirium Cafe, 5ª franquia do Delirium Cafe da Belgica, o Aconchego Carioca, com exceleentes comidas, enfim, o RJ tá ficando muito bem servido. Dê uma olhada nos posts anteriores.

Em Brasília, ouvi falar bem do Agripina Bistrô. E já fui a Stadt Bier, mas não lembro direito.

Beijos

cervejaria.blackbrewer@gmail.com disse...

Justamente, a Barley Wine e a Pilsner vão para o concurso! Quando ficarem prontas, se ficarem boas eu envio para vocês. Seu email está anotado.

Beijo, até logo.
Claudio.

Léo disse...

Tati eu tinha muita curiosidade de provar a Samuel Adams sim, porém é um tanto quanto dificil encontrar por essas bandas, mas valeu pela dica. A primeira vez que degustei uma henstephaner eu não acreditei no que estava degustando. Ela é sem dúvida a melhor no conceito weiss, na minha humilde opinião. Agora será que tem como saber quando vai rolar um próximo evento cervejeiro aqui no Rio, Tati? Beijos e cheers mate!!!!

FemAle Tatiana disse...

Leo, no carnaval vai rolar um encontro na rua dos cervejeiros, na terça, às 15h, na praça do metrô, em Botafogo.
bjs

Léo disse...

Interessante isso Tati, até o nome da rua é sugestivo, rsrsrs. Como vai acontecer isso?
Beijos

FemAle Tatiana disse...

Leo, que maluquice. Escrevi isso correndo. Não existe essa rua. rs. Acho que quis dizer que vai rolar um bloco dos cervejeiros, sei lá.

mas é isso aí, na rua nelson mandela. aparece lá. bjs

Léo disse...

Tudo bem Tati, rsrsrs desconfiei logo. Mas vc diz terça que dia exatamente? Dia 8, no carnaval? Beijos

FemAle Tatiana disse...

Isso, dia 8, a partir das 15h, na rua nelson madela, na praça do metrô, saída da Voluntários da Patria, em frente ao boteco colarinho. bjs